Conto "Sobressalto" + atividades + Gabarito / 8º ano

                                                       Sobressalto

É noite quente, de lua clara. As crianças brincam na pequena praça, correndo para lá e para cá, brincando de pega-pega ou de esconde-esconde, enquanto os pais conversam animados. Não há o que temer, todos se conhecem. Ali, o tempo corre sem grandes sobressaltos. As portas e janelas não são trancadas, travas para quê? A vida moderna e seus estorvos são vistos de muito longe, esporadicamente. Curiosidade em vivê-la? Não. O que precisam, eles têm, quase tudo. Um ou dois mascates trazem o que não produzem. Não há o que temer.

Julião Mascate chegou logo cedo à pequena cidade, tocando a buzina para se anunciar: vinha carregado de tecidos coloridos e outras quinquilharias.

– Biiiiippppp!! Bibipiiiiiiii! – É hora, minha senhora! Venha escolher seu tecido! Julião tem de tudo: tem brincos, tem colares. Água de cheiro tem, também! Venha logo. Não demore! – Biiiipppp! Biiiipppp! – Pro patrão, tem também! Para a criançada, bolas coloridas e bonecas, lápis de cor e peteca!

Minutos depois, lá estava Julião, barraca montada na praça. Em dias de barraca na praça, que mal havia de se esquecer de alguns afazeres? As pessoas acorriam, ninguém ficava em casa. Ao entardecer, como sempre, Julião partiria.

Naquela noite, a conversa girava em torno da chegada do mascate e das compras feitas. Lindaura e Alzirinha jogavam peteca, separadas dos demais meninos e meninas.

As vendas foram fracas e, por isso, Julião resolveu ficar na cidadezinha e montar sua barraca novamente no dia seguinte.

A peteca foi arremessada com muita força. Onde foi parar? Lindaura sai à procura do brinquedo. Demora demais. Alzirinha resolveu procurar também. Atrás do coreto, tropeçou e caiu. Caiu sobre o corpo sem vida de Lindaura.

A cidadezinha, tomada de pesar, ficou muda de terror e espanto. Julião Mascate sumiu.

A maldade tomou forma e tocou a todos. Era concreta e tinha nome: Julião Mascate.

Portas e janelas se fecharam. Na praça, não se ouve mais o alarido alegre do riso das crianças, brincadeiras não há. As rodas de conversas diminuíram. Restringem-se a uns poucos homens que conversam baixo e espiam desconfiados por cima do ombro. A cada desconhecido que na cidadezinha chega, um sobressalto. O mal existe. O povo carrega a marca indelével do medo.

(Odenilde Nogueira Martins - Sobressalto- In: Caso encerrado)


Depois de ler, atentamente, o conto, responda às questões propostas.


1- O conto é uma narrativa curta cujo enredo compõe-se de determinados elementos que lhe conferem a devida credibilidade, fazendo com que se instaure um clima de envolvimento entre os interlocutores (autor x leitor). O texto narrativo é composto pelo enredo (o assunto do texto), o narrador, as personagens, o espaço e o tempo. Identifique os elementos narrativos solicitados do conto Sobressalto.

a- Fato principal - 
b- Narrador - Comprove 
c- Personagens principais - 
d- Espaço – Comprove
e- Tempo – Comprove 

2- Na sua opinião, o título do conto é adequado? Justifique.

3- Em qual parágrafo instaura-se o conflito? Transcreva um trecho que comprove sua resposta.

4- A autora usou onomatopeia, retire-a e diga o que representa.

5- Quando a rotina da pacata cidade era alterada? Comprove sua resposta com um trecho do texto.

6- Qual a justificativa para que o mascate permanecesse na cidade, diferentemente do que ocorria sempre?

7- O que aconteceu com Lindaura?

8- Qual fato permite concluir que Julião Mascate é o assassino de Lindaura?

9- Descreva a cidadezinha antes e depois da morte da menina Lindaura.

10- Fale em um parágrafo sobre o tipo de violência abordada no texto.


Gabarito
1- a- A mudança ocorrida no comportamento dos moradores de uma pequena           cidade após um assassinato brutal.
    b- Terceira pessoa, observador: "O que precisam, eles têm, quase tudo. Um        ou dois mascates trazem o que não produzem. Não há o que temer."                (Outros fragmentos podem ser usados)
    c- Lindaura e Julião Mascate.
    d- Na praça de uma pequena cidade: "As crianças brincam na pequena                   praça..."
    e- O conto carece de informações precisas a respeito de quando os fatos                 aconteceram: "É noite quente, de lua clara." ; "Naquela noite,..."

2- Resposta pessoal.

3- No segundo parágrafo: "Julião Mascate chegou logo cedo à pequena cidade, tocando a buzina para se anunciar: vinha carregado de tecidos coloridos e outras quinquilharias."

4Biiiiippppp!! Bibipiiiiiiii! - representa o som de buzina. 

5- A rotina era alterada quando Julião Mascate chegava: "Em dias de barraca na praça, que mal havia de se esquecer de alguns afazeres? As pessoas acorriam, ninguém ficava em casa."

6- As vendas foram fracas. 

7- Lindaura sofreu violência sexual e depois foi assassinada.

8- Julião Mascate sumiu.

9- Antes:ninguém trancava portas e janelas, a vida era calma, não havia o que temer, todos se conheciam, crianças e adultos reuniam-se na praça, enquanto os adultos conversavam, as crianças brincavam. Não havia violência.
Depois:As portas e janelas foram fechadas, as crianças não brincavam mais na praça, as rodas de conversas diminuíram, poucos homens conversam baixo, desconfiados, com medo de desconhecidos, os moradores passam a conhecer o medo da violência. 

10- Pessoal.










2 comentários:

Postar um comentário